Vacina para Coqueluche

Coqueluche

Idade de Aplicação:

1º dose - 2º mês de vida

2º dose - 4º mês de vida

3º dose - 6º mês de vida

1º reforço - 1 ano e 03 meses

2º reforço – entre 4-6 anos de idade

3º reforço – 15 anos de idade

Adulto – dose de reforço a cada 10 anos





Neo Clínica - Vacinas - Coqueluche

GESTANTES : Recomendada a utilização da vacina dTpa para todas as gestações, independentemente do intervalo entre elas, a fim de potencializa a transferência de anticorpos para o bebê, idealmente entre a 26ª e 36ª semana gestacional. Na falta de dTpa recomenda-se o uso da vacina dTpa-VPI (tríplice celular associada à pólio inativada)

Dicas ao Cliente:

Confira a embalagem da vacina: nome da vacina, nome do laboratório, número de lote, data de validade, lacre da embalagem.
Presencie a aplicação da Vacina.

Fonte de infecção

A coqueluche é uma doença infecciosa causada por uma bactéria que afeta a traquéia e os pulmões, e que se caracteriza por apresentar três fases: catarral, paroxística e de convalescença.

-Na primeira fase, inicial ou catarral, o doente apresenta tosse e expectoração de muco claro e viscoso, com duração de uma a duas semanas, aproximadamente.

-Na segunda, denominada paroxística, o doente passa a apresentar acessos de tosse que terminam com um “guincho” ou então com vômitos, quando é eliminada uma secreção viscosa. Esta fase tem duração aproximada de dois meses.

-A terceira fase é a de convalescença, quando a tosse torna-se branda e pouco freqüente, com duração de uma a três semanas.
O agente infeccioso da coqueluche é um bacilo gram-negativo: a Bordetella pertussis. O único reservatório é o homem.

Modo de transmissão

A coqueluche se transmite de pessoa a pessoa, por meio das secreções nasofaríngeas, especialmente na fase catarral, ou seja, no início da doença. A transmissão ocorre, também, pelo contato com objetos contaminados por essas secreções.

Período de incubação

O período de incubação varia entre sete e 14 dias, sendo a média de sete dias.

Período de transmissibilidade

A transmissibilidade é maior durante a fase catarral, diminuindo nas três semanas seguintes, quando é insignificante.

Suscetibilidade

A suscetibilidade é universal, sendo maior nos menores de cinco anos e mais grave nos menores de um ano.

Imunidade

A imunidade é conferida pela doença e pela administração da vacina tríplice bacteriana, a vacina DTP (contra a difteria, o tétano e a coqueluche) ou DTPa.

Fonte: FUNASA